Sucessão familiar em empresas

Sucessão familiar em empresas

Os especialistas concordam que a sucessão de negócios é muitas vezes mal gerida, entre outras razões, porque as premissas fundamentais não são realizadas para que a atribuição seja um sucesso. Seu cumprimento, portanto, é uma condição indispensável para que o processo de sucessão se desenvolva adequadamente e, assim, o futuro da empresa não acaba nas mãos do acaso e da improvisação.

Sucessão familiar em empresas

Há concordância de que há uma série de requisitos gerais que levam à sucessão bem-sucedida, embora a conformidade exija um conjunto de ações que desenvolvam o plano de ação, que deve sempre se adaptar às características e circunstâncias de cada empresa. Nós os resumimos em três grandes grupos:

Antecipar: não demora para que a sucessão ocorra depois de completar seus vários estágios.

Planejar:  estabelecer um plano de longo prazo, um processo flexível que requer a conclusão de uma série de fases.

Prepare o sucessor:  o sucessor deve conhecer o negócio, estar preparado e motivado.

Tudo isto resume-se na implementação de um sólido plano de sucessão que, longe de criar tensões, dá confiança a todos os membros da família e da empresa. Esta é uma questão de capital, uma vez que a sucessão nas empresas familiares é um dos principais problemas que ameaça a sobrevivência das PME. Assim, sobreviver a mais de três gerações dependerá em grande parte de um plano estratégico de longo prazo que inclua um plano de sucessão cuidadoso a partir do qual gerenciar o processo de transferência para uma nova geração ou, se apropriado, delegar a gestão a um profissional externo.

Existem receitas bem-sucedidas?

A casuística é uma pequena amiga do conselho geral, por isso não podemos esperar receitas que garantam o sucesso. Especialmente quando, além disso, estamos falando de relações entre pessoas, somadas a uma soma de fatores que moldam a realidade do negócio, em constante mudança. No entanto, existem dicas e orientações que ajudam muito a sucessão. Tendo-os presentes, fazer uma interpretação inteligente para se adaptar aos diferentes cenários que encontramos será uma maneira de fazer nossa própria receita para o sucesso.

Como planejar a sucessão

Em geral, a transmissão é mal preparada e atrasada, o que nos obriga a tomar decisões arriscadas. Os dois fatores essenciais que fazem da transição um sucesso são que quem desiste da empresa está ciente da necessidade de prepará-la com bastante antecedência e quem recebe é muito bem informado sobre a estrutura.

As estatísticas mostram a reticência da maioria dos gerentes no revezamento. Um terço das pessoas com mais de 61 anos ainda não decidiu seu sucessor e dois quintos com idades entre 56 e 60 anos e que querem se aposentar nos próximos 5 anos.

Marque uma data. A duração do processo de sucessão dependerá do tipo de empresa e da família. É conveniente marcar a data da transferência e estabelecer um tipo de contagem regressiva em que diferentes fases serão cobertas. É difícil estabelecer um tempo indicativo, embora os especialistas coincidam em colocá-lo em cerca de quinze anos.

A sucessão deve ser planejada antes que o patriarca complete 60 anos e o sucessor 25. O período de preparação deste último não pode ser menor que cinco anos, mas não maior que dez, já que pode ser desencorajado. Além disso, a fase em que ambos compartilham poder não deve exceder três anos, uma vez que afetaria a gestão da empresa. A retirada deve ser próxima da idade de aposentadoria, isto é, aos 65 anos e nunca além dos 75 anos. O sucessor não deve assumir o cargo com mais de 45 anos, porque de outro modo ele teria que considerar sua própria sucessão.

Treinamento do sucessor. É a fase mais longa do plano de sucessão. A preparação deve ser individualizada de acordo com o tipo de empresa. Vai variar de conhecimento técnico para habilidades de gerenciamento. Você tem que treinar todos os sucessores, aqueles que irão liderar e aqueles que simplesmente serão acionistas. Melhor ser um bom acionista do que um mau administrador.

Recomenda-se que o treinamento básico seja completado com experiência profissional fora dos negócios da família.

A transferência: O acontecido deve estar deixando o poder nas mãos do sucessor. Você terá que fornece todas as informações importantes que você possui e fornecer os contatos necessários. Os prazos devem ser estabelecidos, porque a tentação de não deixar o poder é relativamente fácil. Um empreendedor que não transfere o endereço até que ele morra, ou se aposenta devido a impossibilidade física, deixa de exercer uma direção efetiva bem antes de se aposentar.

Devemos também ter em mente que a pessoa que deixa o poder não pode repentinamente se tornar um aposentado. O afastamento progressivo da tomada de decisões deve ser antecipado e, ao mesmo tempo, pensar em como tirar proveito de sua bagagem profissional, seja como consultor, consultor ou representante da empresa em determinados ambientes. Uma maneira de não estragar esse ativo. Por outro lado, eles devem garantir os recursos econômicos que terão para cobrir suas necessidades sem depender de seus sucessores. Todo mundo tem medos lógicos de perda de identidade e quer garantir sua estabilidade econômica.

Os candidatos para sucessão. Você deve pensar essencialmente sobre a empresa e os problemas que podem ser encontrados no futuro. Não custa procurar candidatos diferentes, portanto, depois de um processo de treinamento, escolha o mais adequado. Durante este processo, os resultados devem ser continuamente verificados para avaliar adequadamente os diferentes candidatos. Pode acontecer, no entanto, que os sucessores escolhidos mudem de opinião ou que não tenham o perfil adequado, por isso é conveniente procurar um executivo externo em paralelo que garanta a continuidade da empresa no futuro.

Os idosos podem relutar em mudar por causa de bons relacionamentos com o fundador e porque o processo de retirada também começa. Os gerentes mais jovens verão em bom planejamento a garantia de seu futuro. É conveniente consultar especialistas externos para evitar a subjetividade derivada das relações familiares.

Membros da família separados. Ao planejar a sucessão, deve-se analisar como os membros da família que estão separados da administração se encaixam, mas quem continuará sendo o acionista. É importante criar órgãos de gestão nos quais os membros da família possam participar. Eles devem ser conscientizados para que estejam diretamente envolvidos e devidamente informados para que possam exercer seus direitos. Nunca devemos esquecer, dizem os especialistas, que todos compartilham um vínculo: um ancestral empreendedor que trabalhou arduamente em um projeto de negócios no qual acreditava.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *